[layerslider id="15"]

Fake News: a praga virtual e seus estragos reais

Fake News:  a praga virtual e seus estragos reais
15 dez 2018

BRAZILUSA SWFLORIDA 24 CAPAAs fake news vêm de longa data, no passado, era aquela fofoca, o boato infundado sobre um anônimo, um famoso, um político ou um produto. Com a popularização da internet, uma mentira que antes levava meses ou até anos para ser propagada, agora chega a milhões de pessoas em questão de minutos.
Tão grave quanto as mentiras, é saber que existem empresas ganhando muito dinheiro para divulgar tais fatos.

Empresas lucram milhões com as fake news
Por trás dessa situação há um esquema que lucra alto, são as chamadas empresas que realizam “serviços de mídia digital”. Contratadas por empresários para denegrir a imagem de produtos ou profissionais concorrentes, partidos políticos, empresários, e etc., essas empresas disparam mensagens e em poucos minutos, milhões de pessoas recebem as fake News. Muitos deles as repassam para amigos e familiares e o estrago está feito.

INFLUENCIADORES DE OPINIÃO
Por terem um papel crítico na sociedade e sendo influenciadores de opinião, muitas vezes artistas, religiosos, algumas classes de profissionais são incluídas na notícia falsa para que a mesma tenha um alcance maior de credibilidade. Montagem com fotos, áudios, vídeos são usados para que a notícia pareça ser verdadeira.
Muitas vezes essas falsas notícias depõem contra, denigrem e prejudicam a imagem desses famosos ou profissionais.

INTENSIDADE DE NOTICIAS FALSAS
Seguindo exemplo que aconteceu nas eleições de 2016 do US, o Brasil foi um exagero em notícias falsas na eleição presidencial brasileira, um verdadeiro tsunami de fake news invadiu as redes sociais.
Vídeos, fotos e textos chegavam aos celulares de milhões de brasileiros com informações mentirosas. Algumas tentavam passar um ar de credibilidade, com falsas capas de revista atacando um candidato; já outras, descambavam para o absurdo, divulgando que um político era a favor da pedofilia, político forjou atentado, xingou enfermeira no hospital, fugiu do exército, político que batia na ex esposa (quando era casado com ela), eleitores querendo se apoderar e invadindo casas e etc…
Professores foram prejudicados por falsas notícias, com acusações de que estavam apresentando kit gay, incentivando o homossexualismo nas escolas (inclusive para crianças de seis anos).
Ao final das eleições no Brasil, a triste constatação é que as chamadas fake news tiveram um papel importante em desinformar e fomentar o ódio e o medo nos eleitores. Milhões de brasileiros receberam, acreditaram e repassaram notícias falsas.
Apesar de ser uma prática ilegal, pouco ou nada foi feito para coibi-la, as fake news continuaram sendo disparadas até mesmo na véspera do 2º turno.

Como se precaver contra as fake news?
O mestre da propaganda nazista, Joseph Goebbls, dizia que uma mentira contada mais de mil vezes se torna verdade. Atualmente uma mentira disparada nas redes sociais consegue esse efeito em poucos minutos, por isso, todos devem estar atentos ao que estão lendo ou vendo. Mesmo as pessoas que têm um senso crítico maior, pode acreditar em uma informação falsa, isso porque, nem todas são absurdamente sensacionalistas, muitas são bem elaboradas, com uma suposta capa de um jornal ou revista conhecidos para dar credibilidade ou então edições de imagens que retiram uma cena ou fala do contexto e transformam em outra situação.
Para não correr o risco de acreditar em uma fake news, desconfie sempre de uma informação que esteja no WhastApp, Facebook ou em sites pouco conhecidos. Se aquele conteúdo despertar sua atenção, vá ao Google, boatos.org, e-farsas e pesquise em sites confiáveis. Se a notícia não estiver nesses veículos, provavelmente é falsa.
Desconfie também de notícia que não cita nome completo, data, endereço ou que não cita fontes para checagem.

Punições
Não só no Brasil, mas em vários países do mundo, autoridades se mobilizam para criar uma legislação e punir os que espalham fake news, porém há um longo caminho a ser percorrido para banir essa praga da internet. Por ora, desconfie sempre e tenha um filtro contra as mentiras online. Na dúvida, não repasse!!!

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 12 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba as novidades BrazilUSA

Faça parte de nossos assinantes e receba todas as novidades da BrazilUSA.

You have Successfully Subscribed!