[layerslider id="15"]

Experiências ruins podem afetar hábitos de exercício

Experiências ruins podem afetar hábitos de exercício
02 nov 2018

CAPA BRAZILUSA SOUTHFLORIDA SETEMBRO_OUTUBROComo nos sentimos durante as aulas de ginástica há anos ou décadas atrás podem moldar como nos sentimos hoje sobre o exercício e se optamos por ser fisicamente ativos, isso é o que aponta um novo estudo comandado por um grupo de cientistas da Universidade Estadual de Iowa, em Ames. O resultado pode ter implicações para nossa compreensão da motivação do exercício e sobre como devemos apresentar nossos filhos ao esporte e ao movimento.
Cerca de dois terços dos adultos no mundo ocidental raramente se exercitam, dizem as estatísticas de saúde. Existem muitas razões pelas quais muitos de nós somos sedentários, mas a maioria dos cientistas comportamentais concorda que nossas atitudes sobre o exercício desempenham um papel determinante. Se esperamos que o exercício seja divertido e prazeroso, muitas vezes nos exercitaremos. Se não, não vamos.
Entretanto, como não desenvolvemos essas crenças sobre a atividade física, não está claro. Assim, os pesquisadores começaram a se perguntar se nossos sentimentos em relação à mudança podem ter raízes nas aulas de ginástica, que muitas vezes são a primeira introdução que muitos de nós têm para o exercício formal.
Para descobrir, eles criaram um questionário on-line especializado e demorado que pedia às pessoas que refletissem e classificassem suas memórias da aula de ginástica e como se sentiam agora com o exercício, usando uma elaborada escala numérica. O questionário também perguntou às pessoas sobre seus hábitos de atividade física hoje e quanto tempo eles gastaram em movimento ou em uma cadeira, especialmente nos finais de semana.
O formulário os convidou a descrever, com suas próprias palavras, sua melhor ou pior lembrança de uma aula de Educação Física e escrever sobre ela com o máximo de detalhes que escolhessem. Os pesquisadores postaram o questionário em um site dedicado a estudos acadêmicos e convidaram todos os interessados a preencher o formulário. Eles acabaram recebendo respostas de mais de mil homens e mulheres com idade entre 18 e 40 anos.
As memórias das pessoas da aula de ginástica revelaram-se surpreendentemente “vívidas e carregadas de emoção”, escrevem os pesquisadores no estudo, que foi publicado em agosto no jornal Translational do American College of Sports Medicine. E essas memórias tinham longas sombras, afetando os hábitos de exercício das pessoas anos depois.
As associações mais consistentes foram entre lembranças desagradáveis das aulas de Educação Física e persistente resistência ao exercício anos depois, descobriram os pesquisadores. As pessoas que não gostavam de aulas de ginástica quando crianças tendiam a relatar que não esperavam gostar de exercícios agora e não planejavam se exercitar nos próximos dias.
As pessoas que tinham prazer na aula de ginástica, por outro lado, eram mais propensas a relatar que esperavam que os exercícios fossem agradáveis e que eles estivessem ativos nos finais de semana.
As razões que as pessoas deram para desfrutar de ginástica – ou não – também estavam dizendo. Muitos disseram que odiavam ser escolhidos tarde ou por equipes esportivas, ou se sentiam envergonhados por performances esportivas desastradas.
Alguns também relataram desconforto se despir na frente de outros alunos, e alguns descreveram bullying e insultos, inclusive de professores de ginástica. Muitos também disseram que temiam os testes de aptidão que são comuns em programas de educação física. Naturalmente, algumas pessoas tinham lembranças agradáveis de aulas de ginástica, muitas vezes envolvendo sucesso e competência atlética.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba as novidades BrazilUSA

Faça parte de nossos assinantes e receba todas as novidades da BrazilUSA.

You have Successfully Subscribed!